Qual o momento certo para vender o carro sem prejuízos?

Entre as paixões nacionais, o carro permanece como um dos maiores xodós do brasileiro. Não poderia ser diferente, afinal de contas, o automóvel é um importante meio de transporte. Mas o seu uso contínuo demanda ao proprietário a necessidade de um pensamento inquietante: qual é o momento certo para pensar na venda do carro?

Antes de cobiçar um novo modelo automotivo, proprietários devem buscar maneiras seguras e práticas de conservarem o seu bem, para que este não se desvalorize no momento da troca. Por isso, selecionamos algumas dicas para garantir que o seu negócio seja tão benéfico na compra quanto na venda e na substituição. Confira!


Qual o momento certo para a venda do carro?

É tão inevitável quanto um semáforo vermelho no trânsito cotidiano: a partir do momento da compra, o carro tem sua valorização reduzida (sendo mais acentuada nos primeiros dois anos de uso). Embora muitos condutores saibam disso, fica a dúvida do momento ideal de trocar o automóvel sem que existam grandes prejuízos para os envolvidos.

O primeiro indicador de que está na hora de trocar o carro é quando o automóvel passa mais tempo estacionado no mecânico do que na sua garagem, e o valor anual dedicado à manutenção do veículo ultrapassa 10% do seu valor de venda.

Existem, no entanto, outros fatores que influenciam na valorização do carro e que, consequentemente, podem te ajudar a vender o seu veículo com o menor índice de prejuízos possível.

Tempo de uso do carro

Especula-se que, após cinco anos, o carro começa a se desgastar naturalmente, sendo, portanto, uma boa hora para passá-lo adiante.

Peças pequenas, como as de plástico e borracha, se deformam com mais facilidade após esse período, podendo depreciar o valor do automóvel quando problemas se tornam recorrentes.

Popularidade do automóvel

Quando existe a possibilidade de descontinuar uma linha de automóveis, o valor de revenda pode sofrer uma queda de até 10%. Por isso, atenção à popularidade do modelo do carro.

Até mesmo novos lançamentos da mesma categoria já costumam ser suficientes para diminuir o valor de mercado dos modelos anteriores.

Quilometragem rodada

Após a primeira revisão, quando atingidos os 20 mil quilômetros rodados, a tendência é que o valor de revenda caia até 15% do valor original.

Quando se atinge os 40 mil quilômetros, momento em que muitas peças devem ser substituídas, é possível que o proprietário tenha despesas altas para não ter prejuízos com a futura venda do carro.

Aspecto do veículo

Beleza importa, sim — ao menos no valor de revenda do carro. A funilaria em ótimas condições garante que o valor não caia tanto, se comparado a um veículo todo amassado.

Valorize o seu automóvel cuidando bem do aspecto geral dele e fazendo todos os consertos que sejam necessários.

Tabela FIPE

A tabela FIPE é outro ponto ao qual os proprietários de veículos devem se atentar, pois ela é o indicador mais seguido no que diz respeito à valorização dos automóveis. Assim, muitos vendedores e compradores certamente usam-na como parâmetro para abrir um diálogo de negociação. No entanto, se você pretende vender o seu veículo através de concessionárias ou de outras lojas, saiba que você perderá aproximadamente 20% do valor que consta na tabela.

Dessa forma, se você quiser evitar prejuízos no momento da venda do carro, mantenha os cuidados básicos do seu veículo em dia e siga todas as dicas aqui mencionadas. Assim, com certeza aumentarão as chances de você fazer um bom negócio no futuro!


QUE TAL CONFERIR TAMBÉM… 
Qual a quilometragem ideal
para trocar o carro?

Comentários - Deixe o seu

Comentários